(21) 3415-9400      redetrauma@redetrauma.com.br    |   

O que são as dores no nervo ciático?

Conceito

A dor ciática ou dor no nervo ciático surge da compressão, inflamação ou irritação de uma ou mais raízes nervosas da medula espinhal, seu local de origem. O nervo ciático é o maior do corpo humano e começa nas proximidades da coluna lombar, estende-se pelo quadril, desce atrás da coxa e do joelho, seguindo até o dedão do pé. Responde pela sensibilidade, pela movimentação e articulação dos membros inferiores. 

Causas

O dano ao ciático pode acontecer em qualquer parte de sua extensão, incluindo músculos, membranas que protegem órgãos e tendões. Atinge mais as mulheres que os homens, especialmente em idade avançada - já que, com o tempo, as estruturas da coluna vertebral se desgastam e comprometem as raízes nervosas que dão origem ao nervo.

Mas que tipo de lesão exatamente pode danificar ou atingir o nervo ciático? Hérnia de disco, traumas ortopédicos, má postura, sedentarismo, tumores, espasmos musculares, osteoartrite (inflamação nas articulações), estreitamento do canal vertebral, espondilolistese (distúrbio da coluna em que há um deslizamento de vértebras) estão entre os principais exemplos.

Sintomas e Diagnóstico

Os sintomas não necessariamente acontecem ao mesmo tempo e podem variar bastante a intensidade, mas costumam piorar durante a noite. As dores podem se manifestar da coluna lombar até a perna, diminuindo consideravelmente a força muscular, a sensibilidade e os reflexos. O paciente sente dormência, formigamentos, e sensação de agulhadas.

O diagnóstico é feito pelo histórico médico e exame físico do paciente. Caso essa primeira etapa não baste, exames de imagem, como raios X, tomografia computadorizada e ressonância magnética confirmam os primeiros resultados, ajudando a definir o tratamento.

Tratamento

A inflamação no ciático provoca dores que são muito mais um sintoma que propriamente uma doença. Por isso o tratamento consiste em trabalhar a causa do problema. No primeiro momento, para driblar as crises, analgésicos e anti-inflamatórios entram em cena e amenizam a dor. Mas, para uma terapia intensa, é necessário se submeter a sessões de fisioterapia, perder peso, reeducar a postura e praticar atividade física com orientação profissional, respeitando sempre as próprias limitações. Essas medidas não apenas ajudam a descomprimir o nervo, como também a prevenir as crises. Em última instância, a cirurgia pode ser indicada.

A cura, no entanto, não vem de graça, mesmo depois de uma cirurgia. Se estiver em tratamento, tente não faltar às sessões de fisioterapia e manter a postura correta se ficar muito tempo sentado ou em pé. Ao dormir, prefira deitar de costas com um travesseiro debaixo dos joelhos ou de lado, com um travesseiro entre as pernas. 

Sua coluna agradece!

Fonte: Medical Site

05 de Setembro de 2019