(21) 3415-9400      redetrauma@redetrauma.com.br    |   

A importância de praticar exercícios físicos para o paciente bariátrico

Depois de se submeter à cirurgia bariátrica, com a prática regular de exercícios físicos - especialmente aqueles de força e aeróbicos -, o paciente recupera a perda de massa óssea e força muscular. A atividade física não só reduz esses problemas, como também potencializa os benefícios clássicos do procedimento cirúrgico - redução de peso e gordura corporal e melhora dos parâmetros de risco cardiovascular e metabólico.

Cirurgias realizadas por videolaparoscopia permitem que o paciente retorne mais rápido para a atividade física. As tradicionais demoram um pouco, mas exercícios como caminhada podem ser praticados logo no primeiro mês depois da intervenção.

Antes e depois da Bariátrica

Quem se exercita depois deste tipo de intervenção perde mais gordura corporal e visceral, obtém ganhos expressivos de força e funções musculares; tem melhora dos parâmetros metabólicos relevantes relacionados à resistência e sensibilidade à insulina; apresenta queda nos riscos de doenças cardiovasculares e perda óssea. Mas quem se exercia antes da cirurgia também tem benefícios, pois melhora a aptidão cardiorrespiratória, pode reduzir o risco de complicações, facilita a cicatrização e a recuperação pós-operatória.

Mudança de hábitos

A cirurgia bariátrica já tem comprovada eficácia na melhora de parâmetros de saúde em indivíduos obesos. Mas, segundo os últimos estudos sobre o assunto, perde a eficiência se não vier acompanhada de exercícios físicos. O desafio, no entanto, é focar na mudança comportamental. A cirurgia pode ajudar, mas não livra as pessoas dos maus hábitos. Por isso é que, mesmo depois da cirurgia, os pacientes devem continuar sendo acompanhados por uma equipe multidisciplinar, a fim de garantir o sucesso do procedimento. A orientação adequada leva em consideração fatores como idade, peso, condição física e gosto pessoal. 

O processo de mudança de estilo de vida deve começar ainda antes da intervenção cirúrgica. Doenças associadas à obesidade, como osteoartrite, lombalgias e outras, não contraindicam a prática de exercícios físicos, apenas restringem algumas modalidades. O programa apenas deve começar de forma gradativa, respeitando os limites de cada um. Já é o suficiente para melhorar a função cardiorrespiratória e neuromotora, a resistência física e a flexibilidade, mas sentir prazer ao realizá-lo é fundamental para seguir adiante com a nova proposta de vida.

Boa composição corporal: massa óssea e força muscular

A cirurgia promove uma grande redução de gordura, mas também considerável perda de massa muscular e óssea. Essa composição é fundamental para a boa postura, para o aumento da taxa metabólica basal e está envolvida em vários processos importantes para a saúde, como o sistema imunológico. Portanto, ao praticar exercícios físicos no pós-operatório, o paciente tem menos chance de voltar a engordar e mais chance de melhorar a composição corporal (massa muscular x gordura).

Fonte: Medical Site

24 de Outubro de 2019