(21) 3415-9400      redetrauma@redetrauma.com.br    |   

Atividades físicas para crianças

Atividade física para a vida inteira

Mais da metade da população brasileira está com sobrepeso. Entre as crianças menores de cinco anos, estima-se que 7,3% delas estejam acima do peso. Nesse contexto, estimular atividades físicas para os pequenos é o primeiro passo para aumentar as chances de um futuro mais ativo. Os pediatras têm tabelas bem indicativas a respeito dos tipos de atividades físicas para estimular o desenvolvimento físico e cognitivo em cada faixa etária até os 19 anos.

Criança ativa pode se tornar um adulto ativo - desde que, a princípio, essas atividades tenham um estímulo lúdico, ou seja, sejam incentivadas pelo prazer e não pela obrigação. Os pequenos precisam se exercitar sem perceber que o estão fazendo, tipo uma brincadeira.

Variando as atividades físicas

Exercícios protegem contra lesões precoces, auxilia no desenvolvimento motor e no controle de peso, mas variar as modalidades é muito importante para a formação neural e motora da criança. Essa diversificação inclui também as brincadeiras, como amarelinha, pique-pega e pique-bandeira e etc, que estimulam o físico e a criatividade ao mesmo tempo. Então por um tempo a criança joga bola, depois vôlei, peteca, natação, pular corda, pega-pega, pingue-pongue, enfim. É interessante que nesta fase seja incentivado todos os tipos de experiências e descobertas. No futuro, o pequeno pode encontrar uma afinidade maior com uma modalidade específica - o que normalmente acontece quando ele se torna adolescente. A diversidade de atividades físicas é importante na infância também para afastar a monotonia e a vontade de abandonar o exercício.

A participação dos pais e do pediatra

Praticar esportes sempre foi sinônimo de ter uma vida mais saudável, mas impor uma modalidade nunca. Os pais devem ter em mente que a criança precisa sentir prazer e relaxamento na atividade e se eles puderem praticar junto, melhor ainda.

A mesma orientação vale também para videogame e celular, ou seja, sem imposições, apenas controle do uso - especialistas garantem que duas horas por dia é o suficiente. Os pediatras reforçam, ainda, os cuidados que os pais e a escola devem ter para evitar o desenvolvimento da obesidade e do sedentarismo. A solução passa por educar os jovens para um estilo de vida mais ativo, com hábitos alimentares mais saudáveis.

Fonte: Medical Site

26 de Dezembro de 2019